Onde foi que erramos para termos tamanha crise?

Por Alfredo Stange. Chegamos ao final do ano e, infelizmente, como também aconteceu ano passado, não há muito a comemorar. Os índices de violência, corrupção, assassinatos, ladroagem, dinheiro público desviado, continuam em alta. Os poderes constituídos nunca deixaram tanto a desejar, como ultimamente. É desanimador, para as pessoas decentes e honestas, o quadro político, ético…